Regis Danese é destaque na revista Tititi

Regis Danese é destaque na revista Tititi "Não tenho preconceito contra nenhum tipo de som ou religião. Amo o evangélico do mesmo jeito que o espírita, o católico... Deus não faz diferença entre seus filhos", explica o cantor. Ser destaque em veículos populares não é mais novidade na carreira de Regis Danese. Dessa vez, o cantor foi tema de matéria da Revista Tititi, na qual falou sobre conversão, família e carreira. "Agora estou vivendo um momento estrondoso, espetacular, mas que aconteceu espontaneamente, porque tudo o que fiz até agora não foi em busca de fama, mas para levar a palavra do Pai a todos os lugares", disse Danese à revista. O cantor ainda falou sobre as críticas que recebeu por gravar a música "Faz um Milagre em Mim" com o grupo de pagode Pique Novo. "O pessoal da igreja está falando, mas deixa falar... Quando recebi o convite do grupo, fiquei feliz porque minha música está chegando a um público que não costumava me ouvir. É uma forma de pregar o evangelho também", afirmou. Confira trecho da entrevista: Regis Danese: sucesso, sim, graças a Deus! TITITI - Quando você descobriu seu dom de cantar? Regis Danese - Eu nasci numa família de músicos e, aos 6 anos, já tocava violão. Com 10 participei do Programa do Chacrinha e ganhei. E aos 15 fazia parte da dupla sertaneja Regis & Raí. Foi quando assinamos um contrato com a BMG Ariola. Há quanto tempo compõe? Desde pequeno, mas a primeira canção a estourar foi Te Amar sem Medo (gravada pelo Só Pra Contrariar em 1994). Depois, mais cinco composições minhas para o SPC viraram febre, fui convidado para ser backing vocal e continuei compondo. Fiquei lá por cinco anos. Também escrevi músicas para Alcione, Negritude Jr. e outros artistas. Como você se converteu à religião evangélica? Estava com a papelada completa para me separar da minha esposa, Kelly. Aí, um dos integrantes do SPC me convidou para ir com ele à igreja. Fui, aceitei Jesus e consegui salvar meu casamento. Foi aí que virou cantor gospel? Não, só depois de três anos na igreja foi que gravei o primeiro disco religioso. Às vezes, as pessoas dizem que é fácil ser intérprete evangélico, mas tem de ralar muito. Você enfrenta provações, dorme na casa dos outros, fica longe da família... Foi tudo muito difícil até aqui. Para continuar lendo, clique aqui. Fonte: M de Mulher / TititiPostado por: Felipe Pinheiro

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda Toque no Altar

Daniel Carvalho (Scooby) Ex Toque no Altar , Raiz Coral se Prepara para um Novo CD solo

Radios do Rio de Janeiro

FEST GOSPEL - 2011

"PENTECOSTAL" O NOVO CD DE ROBSON NASCIMENTO

“Festa de Casimiro de Abreu” com Toque no Altar

Irmão Lázaro faz Live na web e lança projeto em vídeo

Lázaro e PG no Ministério Apascentar de Nova Iguaçu